Seguir por e-mail

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Uma confissão...

...ou De Páscoa e de chocolates 



É... eu sabia que isso iria acontecer: que eu iria me deixar levar pelos outros, pela propaganda, pela época e iria sucumbir ao desejo... Como pude deixar que isso ocorresse? Logo eu que tento sempre ser tão racional me deixei cair desse jeito... No entanto vim aqui de cara limpa (porém com um pouquinho de acne) para confessar o meu pecado: 

Comprei um ovo de chocolate. Sim, é isso mesmo. Não estou mentindo, falo (teclo) sério! Comprei um desses ovos da moda, objetos de comerciais constantes na TV (e olha que nem vejo tanta TV assim). Mas o que seria tão grave em comprar um ovo de chocolate em plena Páscoa?

Primeiro, eu conheço o significado original da Páscoa. Não tem nada a ver com chocolate e coelhinho (não vou entrar no mérito da pregação religiosa, por não achar que aqui seja o local adequado)... 

Segundo, eu sou contra (ou pelo menos eu era, agora já não sei mais depois do chocolate... é quase uma crise existencial) a comercialização das datas comemorativas: Natal, Dia das Mães, Dia dos Pais, etc.

Terceiro... Bem, não há terceiro motivo, o que faltou foi uma maneira melhor de iniciar o parágrafo. Deixe-me então contar-lhes como aconteceu: Estava eu passeando por um grande shopping de Natal, que fica bem no meio do caminho para quem vai para a Zona Norte ou para a Zona Sul (não preciso contar qual é, não é?), quando vi aquela fila na entrada de uma loja especializada na venda de chocolates. Eu pensei: 

"Se tem uma fila desse tamanho só para poder entrar deve ser uma promoção muito boa, ou então, o produto deve ser de ótima qualidade". 

Aproximei-me, como que vítima de um tipo de efeito manada, e fiquei conversando com algumas pessoas que estavam na fila. Nisso, a fila vai andando e chega a minha vez de entrar loja. Pergunto pra mim mesmo: 

"Você vai realmente participar desse arroubo consumista?" (É claro que na hora não me vieram essas palavras bonitas, tomo aqui um pouco de liberdade criativa, mas vocês me entendem, ?)

Ao que respondo (apenas na minha mente, não pensem que eu converso sozinho): 

"Já estou aqui há quase 20 minutos, já até adicionei essas pessoas no Facebook, vou entrar, sim."

E lá se vão mais uns 20 minutos até conseguir sair de lá com a minha recompensa por aquele momento de provação: um grande e, aparentemente delicioso, ovo de chocolate. De posse do meu troféu, sigo para casa, refletindo sobre o acontecido:

"Como fui tolo! Gastar tanto dinheiro com chocolate!"

Já era tarde, porém, e Inês já estava morta (pelo menos desde o século XIV). Então não adiantava mais chorar sobre o chocolate comprado. Então decidir fazer duas coisas, a fim de conseguir a minha expiação: 1) Compartilhar com vocês a minha aflição; e 2) saborear lentamente todo aquele chocolate (o que, aliás, estou fazendo agora mesmo entre uma teclada e outra).

Feliz Páscoa (apreciem os ovos de chocolate com moderação)!

2 comentários:

  1. ...vc gosta de chocolate, não foi impulso consumista não. Estás perdoado! Sou testemunha de que não precisas da desculpa da data comemorativa para comer chocolate!!!!eheh

    ResponderExcluir
  2. não é bem assim Wildson, chocolateiros não vem ser criminosos mais é a força do arbitro, de nós crescer com essa criação, a páscoa só vai ser páscoa quando um de nós comemora e comermos chocolate, nós virmos isso, quando você Wildson passar e vai até fila compra (rsrsrsrs).

    ResponderExcluir